Inclusão de crianças com autismo em escolas públicas: por que é essencial e como garantir uma educação inclusiva e de qualidade para todos?

06/04/2023
Por redação , 6 de Abril.

Quando se fala sobre a inclusão de pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) em escolas públicas, há muitos aspectos a serem discutidos para garantir uma inclusão efetiva. É fundamental que a equipe escolar tenha capacitação adequada para entender as necessidades das pessoas com TEA e como melhor atendê-las. Além disso, é necessário adaptar o currículo e a metodologia de ensino para atender às necessidades individuais da criança com TEA, como modificações de tarefas, uso de recursos visuais, entre outros.

O ambiente escolar pode ser estressante para pessoas com TEA devido a fatores como ruído excessivo, iluminação intensa ou uma grande quantidade de pessoas. Por isso, é importante que a escola adapte o ambiente físico e sensorial para torná-lo mais acolhedor e inclusivo. Além disso, as crianças com TEA podem ter dificuldades em se relacionar com outras crianças e podem precisar de apoio emocional e social. A escola pode oferecer atividades e terapias que promovam a interação social e habilidades sociais.

Outro ponto importante é garantir que a criança com TEA tenha acesso a todos os recursos e serviços disponíveis, incluindo acessibilidade física, tecnológica e de comunicação. A família deve ser vista como um parceiro na inclusão da criança com TEA na escola. Por isso, é importante que a escola trabalhe em colaboração com a família para entender as necessidades e o desenvolvimento da criança.

Por fim, a escola deve estar atenta e tomar medidas preventivas e corretivas para evitar o bullying e garantir um ambiente escolar seguro para todas as crianças. É fundamental que a inclusão efetiva seja vista como um processo contínuo e que requer a colaboração de toda a comunidade escolar e familiar.

Banco de imagens feepik
Banco de imagens feepik

Há uma crescente quantidade de livros escritos por mulheres negras que falam sobre o autismo. Abaixo estão algumas sugestões:

  1. "The State of Grace" por Rachael Lucas - Este livro de ficção conta a história de Grace, uma adolescente com autismo que lida com as mudanças da vida, como um novo relacionamento e a separação dos pais.

  2. "All the Weight of Our Dreams: On Living Racialized Autism" por Lydia X. Z. Brown, E. Ashkenazy, e Morénike Giwa Onaiwu - Este livro de ensaios apresenta a perspectiva de autistas racializados, incluindo as autoras, que são mulheres negras.

  3. "The Spectrum Girl's Survival Guide: How to Grow Up Awesome and Autistic" por Siena Castellon - Este livro é um guia prático para adolescentes autistas, escrito por uma adolescente autista e ativista.

  4. "Autism in Heels: The Untold Story of a Female Life on the Spectrum" por Jennifer Cook O'Toole - Este livro de memórias narra a experiência da autora, uma mulher negra e autista, que foi diagnosticada tardiamente na vida adulta.

  5. "I'm an Aspie; A Poetic Memoir for Living the Human Experience Through the Eyes of Asperger's" por Tania Marshall - Este livro é uma coleção de poemas que expressam a perspectiva da autora, uma mulher negra e autista.

Incluir pessoas com TEA na sociedade pode ser um desafio, mas há estratégias que podem ser úteis para tornar esse processo mais efetivo. Uma das sugestões é estabelecer uma comunicação efetiva com os pais, que podem fornecer informações valiosas sobre a criança e suas necessidades. É importante entender as necessidades individuais da pessoa com autismo, como suas preferências sensoriais, necessidades de rotina e habilidades sociais, para adaptar o ambiente e as atividades de acordo com essas necessidades.

Oferecer uma rotina clara e previsível pode ajudar as pessoas com autismo a se sentirem mais confortáveis e seguras. Além disso, atividades visuais, como cartões de imagem ou esquemas de cores, podem ser úteis para aprendizagem. É importante lembrar que as pessoas com autismo podem precisar de mais tempo e suporte para se adaptarem a novas situações ou atividades, portanto, ser paciente e flexível é essencial.

Oferecer apoio individualizado também pode ser benéfico, como um assistente pessoal ou um Plano de Apoio Individualizado (PAI), para ajudá-las a se engajar nas atividades e lidar com os desafios que possam surgir. É fundamental que a sociedade se esforce para garantir que as pessoas com TEA tenham acesso aos recursos e serviços necessários para sua inclusão em todos os aspectos da vida, incluindo educação, trabalho e lazer.

Existem várias opções de filmes e séries na Netflix que abordam o tema do autismo, oferecendo diferentes perspectivas sobre o assunto. Algumas opções são:

  • "Atypical": série que acompanha a vida de um jovem com autismo que está em busca de amor e independência, enquanto lida com as expectativas de sua família e de sua escola.
  • "A Voz do Silêncio" (The Accountant): filme que conta a história de um contador com autismo que possui habilidades extraordinárias em matemática e análise de dados, mas também é um perito em artes marciais e tiro.
  • "Please Stand By": filme sobre uma jovem com autismo que sonha em escrever um roteiro para um concurso de TV, mas precisa lidar com os desafios de viajar sozinha para participar do evento.
  • "The Good Doctor": série sobre um jovem cirurgião com autismo que se esforça para provar sua competência e superar preconceitos no ambiente hospitalar.
  • "The A Word": série que segue a história de uma família que precisa lidar com o diagnóstico de autismo de seu filho mais novo, enquanto enfrenta seus próprios problemas pessoais e familiares.

Essas são apenas algumas das opções disponíveis na Netflix que abordam o autismo de diferentes perspectivas. Cada uma delas oferece uma oportunidade de aprender mais sobre o tema e se conectar com personagens e histórias emocionantes.


O câncer pulmonar é uma enfermidade avassaladora que acomete milhões de indivíduos pelo mundo. Apesar da existência de vários fatores de risco associados a tal condição, um dos mais impactantes é a exposição ao fumo passivo, ou seja, compartilhar o convívio com tabagistas. Neste texto, discutiremos o impacto do fumo passivo no desenvolvimento do...

Há 20 anos, as mudanças em como nos relacionávamos, convivíamos em locais de trabalho, em família, com amigos, em eventos sociais, políticos e até religiosos despontavam a ideia de que o "tradicional", convencional ou o que estávamos acostumados a ver como normal, não era nem de longe a única forma de viver. Nessa época, não tínhamos tanta abertura...